Mundo

Com um saldo de pelo menos 265 mortos, governo da Turquia declara fim da tentativa de golpe militar

turkey_military_coup_emrah_gurel_ap-2_txn8gpiPelo menos 265 pessoas morreram em consequência do caos e da revolta popular que tomou conta da Turquia por causa de uma tentativa de golpe de Estado realizada ontem (15) por uma facção rebelde das Forças Armadas. Para tentar concretizar o golpe, as forças militares rebeldes – representados em sua maioria por contingentes da Força Aérea – chegaram a realizar movimentos com tanques, aviões de combate e helicópteros. Eles assumiram a TV estatal, impuseram a lei marcial e um toque de recolher, atacaram a sede do órgão de inteligência turco e atiraram no prédio do Parlamento do país e em um resort na cidade portuária de Marmaris.

Do total de mortos, pelo menos 104 estão entre os rebeldes, segundo informou o chefe das Forças Armadas, general Umit Dundar. Há pelo menos mais de 1.600 feridos. Segundo o general Dundar, 161 pessoas mortas fazem parte da multidão de civis e policiais contrários ao golpe, que foram às ruas defender a permanência do presidente turco Tayyip Erdogan. Os civis e parte da forças policiais e militares foram mortos pelos rebeldes porque decidiram obedecer ao apelo do presidente Erdogan de resistir ao golpe. O primeiro-ministro turco Benali Yildirim declarou hoje (16) que a situação está “totalmente sob controle”. Segundo ele, mais de 2,8 mil integrantes das Forças Armadas foram presos em razão do golpe. Foi “uma mancha escura para a democracia turca”, acrescentou Hildirim.

tuefe_16072016_chamadahomenormalGrupos de oposição chegaram a levantar dúvidas sobre o golpe, alertando sobre uma possível tese de que a manobra estava sendo usada pelo governo, já com tendências autoritárias, de ainda mais seu controle no poder. Quase 3 mil pessoas foram presas e, depois de uma reunião de emergência, mais de 2,7 mil magistrados, incluindo cinco juízes do supremo tribunal do país, foram demitidos por pertencer supostamente a grupos envolvidos com o golpe. Ancara acusa o ex-aliado Fethullah Gülen de ter orquestrado o golpe, o que ele nega.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s