Cultura

Lei Rouanet: picaretagem é de coxinhas, não de “barbudinhos do PT”. Por Jari da Rocha

coxinhacasaTijolaço – O mapa (do Brasil) de captações é escandaloso, a maioria dos projetos que conseguem ser executados partem de dois bairros do país. Jardins (SP) e Leblon (RJ). A lista dos maiores beneficiados frustra qualquer tentativa de atribuir, o uso da lei, como forma de ‘cooptar’ apoiadores de Lula ou Dilma. Muito pelo contrário. A Folha publicou os nomes dos envolvidos, além de gráficos que auxiliam aos interessados em informações (e não ilações) sobre a necessidade de mudanças na Lei.Os envolvidos em fraude no valor de R$ 180 milhões não são, essencialmente, artistas.

São os que os utilizam, senhores muito bem postados no mundo dos negócios: a Bellini Eventos Culturais (principal operador do esquema, dirigida por um ex-diretor do Itaú Cultural)  e  escritório de advocacia Demarest, o segundo maior do país. Além deles,  as empresas Scania, Kpmg, Roldão, intermédica, Laboratório Cristalia, Lojas Cem, Cecil e Nycomed Produtos Farmacêuticos.Como se vê, não são os “barbudinhos do PT”.

O casamento ( entre Felipe Amorim e e Carolina) bancado com recursos de isenções fiscais num “beach club” de Florianópolis não poderia ser mais coxinha, inclusive com um show  de Leo Rodriguez e sua “Viatura da Paixão”. Colocar a cultura brasileira no mesmo saco que isso é a mais completa burrice. Achar que investimento em Cultura é gasto, ao contrário, traz retorno financeiro, distribuição de renda, gera economia e nos afirma como nação.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s